terça-feira, 29 de dezembro de 2009

O PORQUÊ DO CORTE ARREDONDADO DO CABELO DOS ÍNDIOS

Quem nos fornece essa valiosa informação é o alemão Hans Staden, que, em meados do século XVI, se tornou prisioneiro dos índios Tupinambás, aqui no Brasil.

Conta ele que algumas vezes perguntou aos índios aonde tinham aprendido aquela moda de cabelo.

Como resposta obteve a informação de que seus antepassados a tinham visto num homem que se chamava Meire Humane (ou Mair Zumane), e que tinha feito muitos milagres entre eles, o qual era julgado um profeta ou apóstolo.

Esse personagem se tornou conhecido entre as diversas tribos, de modo que seu nome passou a ser reverenciado como o primeiro legislador e mestre indígena.

O dito nome é alvo de algumas corruptelas nos mais variados países e tribos.

.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

DEFUNTOS SÃO CONVIDADOS A ESTAR PRESENTES EM BANQUETE E SÃO ADVERTIDOS POR NÃO COMPARECEREM

Parece piada, mas um historiador que nasceu no primeiro século d.C. registrou que Cláudio, imperador romano (41 a 54 d.C.), foi o autor dessa proeza.

O referido imperador era reconhecidamente uma pessoa distraída, irreflexível, pouco dado à memória de seus próprios atos.

Consta que certa vez condenou à morte muitos romanos e, no dia seguinte, mesmo os condenados estando mortos, ordenou que eles fossem convidados ao banquete por ele planejado, bem assim para conversarem com ele.

Como os defuntos demoraram a estar presentes ao local desejado, Cláudio deu ordens para que os mesmos fossem repreendidos pela falta de comparecimento.

Esse episódio ocorreu pouco tempo depois que o dito imperador mandou matar Messalina, sua infiel esposa. O interessante ainda é saber que logo que mandou matar a esposa, perguntou: "Por que a imperatriz não vem comer?"

Ou ele era doido, ou muito distraído ou não passava de um bom dissimulador.

.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

PAGÃOS E CRISTÃOS: CONHEÇA ALGUMAS DAS INSCRIÇÕES ENCONTRADAS NAS CATACUMBAS DE ROMA

No subterrâneo de Roma existem muitas catacumbas que datam desde o começo do cristianismo.

Elas serviram não somente de templo, mas de moradia, tanto para cristãos como para judeus. Até de pagãos foram encontradas também.

O emaranhado de labirintos é tão grande que especialistas calculam que se todos eles fossem postos em linha reta, dariam uma extensão de mais de 900 km.

As ditas catacumbas foram descobertas no século XVI d.C.

Vejamos algumas delas e tire sua própria conclusão.

“Aqui jaz Márcia, posta a repousar em um sonho de paz.”
“Lorenzo e seu mais doce filho, levado pelos anjos.”
“Vitorioso em paz e em Cristo.”
“Ao ser chamado, foi-se em paz.”
“Marco Antônio Rastuto fez este sepulcro para si mesmo e para aqueles que confiam no Senhor.”

Abaixo, inscrições de pessoas adeptas do paganismo, a religião romana da época.


“Vive para esta hora presente, porque de nada mais estamos seguros.”
“Levanto minhas mãos contra os deuses que me arrebataram aos vinte anos , mesmo não havendo feito algo errado.”
“Uma vez não era. Agora não sou. Nada sei dele, e não é minha preocupação.”
“Peregrino, não me maldigas quando passares por aqui; porque estou em trevas e não posso responder.”

.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

UMA DAS PRIMEIRAS INSCRIÇÕES ENCONTRADAS NO BRASIL

A inscrição em questão foi encontrada em 1549, no estado de Santa Catarina. Muito provavelmente ela foi inscrita depois de 1530, data em que o Brasil passou de fato a ser colonizado. Isso, todavia, não é totalmente certo.

Ela estava assentada em uma cruz de madeira, deixada em pé, escorada por pedras, sobre uma rocha.

A inscrição estava em espanhol que dizia na íntegra: "Si viene por ventura aqui la armada de su majestad, tiren um tiro Y habrán um recado."

A tradução para o português é: "Se por acaso aqui vierem navios de sua majestade, deem um tiro e terão resposta."

Na verdade o tiro era o sinal de que os índios precisavam para irem ao encontro do europeu, a fim de trocarem alguns produtos da terra por objetos confeccionados pelos ditos europeus.

.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

O AÇÚCAR JÁ SERVIU COMO RESPOSTA DE UM "SIM" OU DE UM "NÃO" EM PEDIDOS DE CASAMENTO

Esse costume esquisito acontecia na Armênia, país vizinho à Turquia.

Assim como nos demais países, quando o noivo queria se casar com sua pretendente, ele se dirigia aos pais da noiva para lhe pedir em casamento.

Ele (o noivo) se locomovia até a casa da noiva e lá formulava o pedido. Fazia-se, em seguida, um certo mistério, que, por sinal, era aguardado com muita ansiedade pelos nubentes.

Os pais se reuniam logo em seguida ao pedido a fim de deliberarem sobre a pretensão do rapaz.

A resposta vinha numa xícara de café, que, se viesse com bastante açúcar, era sinal de que os pais haviam consentido que sua filha se casasse, ao passo que se o café viesse amargo, era um NÃO sem mais delongas.

.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

O PRIMEIRO BANCO PÚBLICO DA EUROPA

O primeiro banco público da Europa se chamava Banco de San Giórgio, fundado na cidade de Gênova (Itália), no ano 1407.

Há alguns séculos a referida cidade já vinha prosperando com intenso comércio. O renascimento comercial e as cruzadas fortaleceram consideravelmente o poderio econômico de Gênova e de Veneza, que acabaram se tornando rivais entre si.

Dois séculos antes, a própria Gênova inauguraria a prática da emissão de títulos públicos, ocorrida em janeiro de 1150.

.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

A PRIMEIRA LEGISLAÇÃO SOBRE O CELIBATO NA IGREJA CATÓLICA

O celibato de padres passou a ser recomendado muito antes de surgir a primeira legislação sobre o tema.

É verdade que a própria Bíblia dá margem para se respeitar aquele que decide viver de tal modo.

Foi no ano 306 d.C., na Espanha, no sínodo de Elvira que surgiu a primeira legislação ordenando que os padres não poderiam se casar, sob pena de destituição.

Tal obrigação não alcançou, de imediato, o restante da Europa. Aos poucos, com o passar de vários séculos, é que a Igreja Católica tratou de extender essa obrigação a todo o clero, notadamente no final do século XI, quando o papa Gregório VII proibiu de vez o casamento de padres.

.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

A FIM DE DISSEMINAR DISCÓRDIA, IMPERADOR ROMANO QUEBRA PROTOCOLO E ORDENA QUE TODOS PERMANEÇAM NO RECINTO, SOB SOL ARDENTE

Essa vem de Calígula, que governou Roma de 37 a 41 d.C. Foi o dito imperador que nomeou seu cavalo Incitatus ao senado da república.

Suetônio nos informa que nos jogos cênicos, Calígula resolveu gerar um motivo de discórdia entre o povo e os cavaleiros (que tinham privilégios na socieade romana).

Fugindo à regra, muito antes do horário previsto para começarem os jogos, ele próprio distribuiu os ingressos de modo que o povo ocupasse as cadeiras dos cavaleiros, que tinham assento especial nos circos (locais onde se realizavam os jogos).

Antes que a luta de gladiadores tivesse início, ordenou que a coberta do circo fosse retirada, para que os lutadores lutassem sob sol ardente, em cuja ocasião ainda determinou que ninguém se retirasse do local, sendo todos obrigados a estar presentes enquanto durasse o espetáculo.

Essa maluquice de Calígula é apenas uma em meio a tantas outras que ele cometeu em apenas quatro anos de governo.

.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

NA ANTIGUIDADE, CHORADOR PROFISSIONAL TINHA O DEVER DE TORNAR O FUNERAL AINDA MAIS TRISTE

Na antiga Judeia havia o chorador profissional, responsável por tornar o funeral ainda mais triste, mais melancólico.

Os antigos judeus não tinham a menor timidez em revelar, em externar seus sentimentos. Em um enterro, eram convidados todos os familiares, os amigos mais chegados e, conforme dito, o chorador oficial.

Para não deixar que a tristeza e o pranto fossem embora, o chorador gritava em alta voz algo que relembrasse a vida do defunto. Se fosse pouco, ele ainda mencionava - em alta voz - o nome de um parente do falecido, a fim de fazer com que ele prolongasse suas lágrimas e sua dor pela despedida do morto.

Esse costume era visto com maior frquência entre os ricos, mas os pobres se sentiam na obrigação de fazer a mesma coisa.

Não raramente havia, ainda, o rodízio desses profissionais em um só funeral.

.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

PEÇA "RAINHA DO XADREZ" SUBSTITUIU PEÇA MASCULINA EM FUNÇÃO DO AUMENTO DO PRESTÍGIO DA VIRGEM MARIA

A partir do século XII houve um considerável aumento do culto à Virgem Maria. O contexto da época sugere que a figura da mulher nos círculos europeus estava em ascenção.

O interessante mesmo é saber que o jogo do xadrez não tinha a peça conhecida por "rainha". Ela se chamava fierce, uma espécie de senescal, nome masculino.

No final do século XIII, a Virgem Maria estava em alta. A europa se viu no dever de exaltar a figura feminina.

Extamente naquele período, a peça do xadrez correspondente à rainha foi mudada, inclusive seu nome.

Passou-se a se chamar Rainha, assim como a Virgem era vista diante dos europeus daquela época.

Foi somente no século XV que a dita peça passou a exercer a parte central do jogo. Eram os reflexos do quadro social naquele tempo.

.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

OS PRIMEIROS DIAS DE BRASÍLIA (PARTE II): IMPRENSA E OPOSIÇÃO DE JUSCELINO ZOMBAVAM DO PROJETO DE CONSTRUIR A NOVA CAPITAL BRASILEIRA

Não faltaram insultos e descrenças com relação ao projeto do então presidente Juscelino de construir uma nova capital para o Brasil. Houve até um presidente que mesmo já atuando em Brasília ficou decepcionado com a nova capital.

Veja, abaixo, algumas frases e noticiários expostos nos jornais da época:

"Brasília jamais terá energia elétrica ou telefonia. Nunca se comunicará com o restante do país." . . . GUSTAVO CORÇÃO, pensador católico e na época especilaista em telecomunicações, em matéria publicada no Jornal O Globo, em junho de 1959.

"Brasília será a maior ruína da história contemporânea. A diferença das outras é que nunca será habitada por ninguém, já que não fiará pronta." . . . CARLOS LACERDA, líder da UDN, em 1957.

"A Belém-Brasília é a estrada das onças. Liga o nada a lugar nenhum." . . . JÂNIO QUADROS, então presidente, em 1961.

.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

TENTANDO FICAR CURADO DE IMPOTÊNCIA SEXUAL, CHEFE DE ESTADO CRIA O CARGO DE "ADMINISTRADOR DOS PRAZERES"

Tibério César era imperador romano na época em que Cristo foi crucificado. Ele governou de 14 a 37 d.C.

Foi acometido de grave impotência sexual. Na tentativa de ficar curado da referida doença, criou um cargo público chamado de "administrador dos prazeres", cujo primeiro titular foi um cavaleiro romano.

Uma das primeiras obras do administrador dos prazeres foi preparar um teatro, em Capri, para que nele fosse reproduzido aquilo que havia de mais avançado em matéria de sexo, sempre no intuito de reerguer o apetite sexual do imperador.

Foram convidadas muitas prostitutas e rapazes dados ao sexo grupal para que eles pudessem se relacionar em pleno palco, sempre com o objetivo de fazer com que Tibério tivesse uma ereção.

Achando pouco, o imperador ainda mandou construir nos quartos alguns quadros pintados com cenas de sexo, bem como encomendou estatuetas que reproduziam diversificadas cenas sexuais.

Não saciado, adquiriu um famoso livro da época sobre sexo explícito, chamado de "Elefântida".

Tibério ainda fez outras maluquices na tentativa de ser curado da impotência sexual. Em outra ocasião será postada a dita informação.

.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

A LIGAÇÃO DA PALAVRA "TRABALHO" COM SUOR, CASTIGO, ESFORÇO, PELEJA, LUTA PARA SOBREVIVER

A palavra trabalho e seus correspondentes em todas as línguas latinas foram derivados de tripalium, um instrumento romano de tortura.

A ligação de tal instrumento com o trabalho - o ato de lutarmos pela sobrevivência, na tentativa de ganhar o pão do dia a dia - se deveu graças ao conceito que se tinha desse ato: uma forma de penitência por causa do pecado original, após o qual Deus havia declarado que o homem comeria do "suor do seu rosto".

Em outras palavras, a matriz linguística da palavra trabalho nos diz que ele é um castigo, uma punição, portanto, algo ruim.

.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

AS TRAVESSURAS E DISSABORES DE NAPOLEÃO BONAPARTE COM AS MULHERES

Ele era baixinho, só tinha 1,60 m de altura. Logo se tornou general do exército francês.

Mas Napoleão tinha dificuldades em conseguir namoradas. No curto período de dois anos chegou a pedir seis mulheres em casamento, uma delas com mais de 60 anos e outra quarentona.

Recebeu um NÃO nas seis tentativas.

Também ele era deselegante e ainda sofria de sarna, que adquirira nos campos de batalha.

Até que enfim uma jovem de 16 anos se apaixonou por ele, mas o romance não prosperou.

Apaixonou-se por Josefina, com quem se casou em março de 1796. Como era seis anos mais novo do que ela, tratou de acrescentar dois anos a mais em sua idade e diminuiu dois de Josefina. Assim constou na certidão de casamento.

Logo teve que se ausentar por causa das guerras. Josefina passou a traí-lo incontáveis vezes. Sabendo, deu-lhe o troco no Egito.

De volta, tem o dissabor de não encontrar sua esposa em casa. Ao chegar, ela se depara com a fúria de Napoleão que, somente depois de muito choro por parte dela, resolveu perdoá-la.

Divorciou-se dela depois, e pronunciou uma frase que se tornou um marco na política: "Continuo a amá-la, mas a política não tem coração, só cabeça".

.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

A IGREJA MAIS ANTIGA NO BRASIL QUE AINDA CONTINUA EM PÉ

Ela está na Bahia, na cidade de Porto Seguro. Chama-se Igreja da Misericórdia.

Foi construída em 1526, em cuja época era chamada de Nossa Senhora dos Passos.

Não há indícios de que o referido templo tenha sido reconstruído, o que sugere que a obra arquitetônica é original mesmo.

No entanto, ela é a mais antiga que continua em pé, porque a primeira igreja construída no Brasil aponta para o ano 1503, também em Porto Seguro.

Em Olinda, Pernambuco, existe ainda uma terceira igreja que fora construída no século XVI, por volta de 1550, que permanece em pé, até hoje.

.