terça-feira, 8 de março de 2011

A ORIGEM E EVOLUÇÃO DO VESTIDO DE NOIVA

Não se sabe ao certo onde e quando surgiu o vestido de noiva. Provavelmente os registros mais antigos apontam para a antiga Roma, onde as mulheres ganhavam uma roupa especial para o casamento.

No início da Idade Média, o vestido era bastante bordado, cuja finalidade era exibir a riqueza da família. O vermelho é predominante, uma vez que representava a capacidade de gerar sangue novo.

Posteriormente, também na Idade Média, o verde passou a predominar. A noiva enxergava, na ocasião, a possibilidade de ser mais fértil. O ventre da mulher se revelava patente, uma forma de mostrar a possibilidade da procriação.

Com o fim da Idade Média e início do Renascimento, o preto parece ter tido boa aceitação, assim como era costume ser usado em eventos religiosos. Foi também durante o Renascimento que o branco começa a se destacar como sinônimo de elegância.

No período entre o Barroco e o Arcadismo (séculos 17 e 18), os vestidos são confeccionados com pedrarias e babados de renda, e outras cores se destacam, como o lilás.

Somente no século 19, mais precisamente depois de fevereiro de 1840, é que o branco passou a ser a cor oficial dos vestidos de noiva. O feito se deve principalmente à Rainha Vitória, da Inglaterra, que não poupou esforços em se mostrar elegante e até ousada, uma vez que resolveu acrescentar o véu à vestimenta, algo então proibido para uma rainha.

A suntuosidade do casamento certamente se deveu, também, pelo fato da rainha ter sido reconhecidamente apaixonada por seu primo-noivo. A partir do evento, o papa Pio IX decretou que todas as noivas católicas deveriam usar cores claras, como sinal de castidade. A ordem papal e o desejo feminino de imitar a rainha pegaram, e o presente século ainda adota o branco como a cor preferida.

.

Nenhum comentário:

Postar um comentário